Taxação baseada na cidadania | Superando obstáculos

Taxação baseada na cidadania

image_pdfimage_print

Há 4 tipos principais de sistemas de taxação fiscais no mundo. Caso queira saber mais sobre estes sistemas, leia em Os principais sistemas fiscais ao redor do mundo.

Neste artigo, iremos tratar em específico da Taxação baseada na Cidadania. Caso queira entender um pouco mais sobre isto, abaixo um descrição mais detalhada.

Sob a tributação baseada na cidadania, todos os cidadãos de um país devem pagar impostos sobre sua renda global em virtude de serem cidadãos.

Isso significa que, como cidadão de um país que usa esse sistema, você precisará pagar algum tipo de imposto todos os anos, independentemente de quanto tempo você realmente gaste no país.

Às vezes, esse imposto pode assumir a forma de um imposto fixo sobre a renda mundial, mas, em outros casos, diferentes tipos de renda podem ser tributados separadamente, dependendo de sua fonte de renda e circunstâncias individuais.

No entanto, independentemente das leis exatas do seu país, os cidadãos dos países que usam esse tipo de sistema tributário precisarão apresentar impostos em casa a cada ano, a menos que renunciem à cidadania.

A tributação baseada na cidadania é o tipo de tributação menos popular em todo o mundo, mas, como é usada pelos EUA, afeta milhões de pessoas em todo o mundo.

Além disso, os países com tributação baseada na cidadania não se limitam a taxar apenas os cidadãos, de modo que os não cidadãos que atendem a certos requisitos também podem ser empurrados para sistemas fiscais baseados na cidadania.

No entanto, há cidadãos norte-americanos que estão extremamente ansiosos para renunciar sua cidadania, mas raramente se encontra cidadãos de outros paises procurando fazer o mesmo.

A razão para essa discrepância é simples: impostos.

Os EUA usam a tributação baseada na cidadania, que permite ao Tio Sam cobrar impostos de todos os cidadãos americanos em casa ou no exterior, de modo que, para escapar completamente da rede de impostos dos EUA, os cidadãos precisam entregar seus passaportes.

Assim, é mais provável que os cidadãos norte-americanos que buscam reduzir legalmente sua carga tributária considerem a possibilidade de renunciar sua cidadania muito mais do que outros cidadãos de outros paises, que só precisam morar fora do país para se ver livre, na maioria dos casos, ao sistema de imposto daquele local. Uma vez que essa “não-residência fiscal” tenha sido concedida e desde que atendam às condições de cada pais, o cidadão não precisará pagar o imposto no país de nascimento, a menos que tenha algum ativo lá. O mesmo nunca ocorrerá com um americano, que legalmente, tendo ou não receita nos EUA, deverá declarar sua receita fora do país para fins de tributação.

Países que usam taxação baseada na cidadania

Apenas dois países do mundo usam a tributação baseada na cidadania – a Eritreia na África e os EUA.

A Eritréia é um pequeno país africano devastado pela guerra localizado perto de Djibuti e Etiópia. É um local que marca baixa pontuação nas ideias das liberdades individuais, liberdade de imprensa e direitos humanos, e muitos eritreus deixam o país para evitar o recrutamento militar indefinido.

A Eritreia, portanto, cobra um imposto fixo de 2% sobre toda a renda mundial de seus cidadãos.

No entanto, a tributação baseada na cidadania da Eritreia é difícil de aplicar. O país é um pária no sistema financeiro global, por isso só pode impor suas obrigações fiscais fora do país, recusando-se a renovar passaportes.

Os EUA, por outro lado, são um país desenvolvido com a maior economia do mundo – e muita influência na fiscalização.

Por que, então, os EUA usariam os mesmos tipos de taxação que a Eritreia?

O sistema norte-americano de tributação baseada na cidadania existe há mais de um século, e o governo dos EUA não parece deixar isso passar.

Embora o Congresso tenha considerado a eliminação da tributação baseada na cidadania durante a elaboração da lei de reforma tributária de 2017, ela acabou sendo duplicada, e os cidadãos norte-americanos continuam sendo taxados em sua renda mundial enquanto moram no exterior – e até em países com tratados fiscais.

Algumas isenções existem para renda ativa e negócios, mas não existem exceções para a renda passiva.

Os EUA também podem aplicar a tributação baseada na cidadania muito mais facilmente do que a Eritreia.

Ele pode rastrear rapidamente infratores que vivem em outros países, e o IRS pode até cancelar seu passaporte existente se você deve mais de US $ 50.000.

Portanto, se você for cidadão dos EUA, precisará pagar algum tipo de imposto sobre sua renda, independentemente de onde mora.

Isenções da taxação baseada na cidadania

Embora a tributação baseada na cidadania seja bastante draconiana, os EUA oferecem um punhado de isenções para cidadãos dos EUA que vivem no exterior.

A Exclusão de Renda de Ganhos Estrangeiros (FEIE) permite que indivíduos qualificados isentem uma certa quantia de sua renda anual do imposto de renda dos EUA, e alguns indivíduos também podem deduzir um crédito de habitação estrangeiro.

A premissa básica da FEIE é que os cidadãos dos EUA que vivem no exterior por um período substancial de tempo não precisam pagar impostos sobre um valor específico de sua renda.

Cidadãos dos EUA também podem utilizar empresas offshore para reduzir legalmente seus encargos fiscais também. No entanto, investimentos e outras formas de renda passiva ainda serão tributados.

Como as isenções de impostos dos EUA podem ser difíceis de entender, recomendo consultar um profissional de impostos caso queira reivindicar a FEIE ou criar uma empresa offshore.

Sob esse sistema de tributação com base na cidadania, os cidadãos americanos ainda precisarão apresentar impostos a cada ano e, na maioria das vezes, precisarão dar alguma coisa ao Tio Sam.

Como a tributação baseada na cidadania afeta os não-cidadão

Embora o nome taxação baseada na cidadania sugira que um país apenas tributa seus cidadãos, esse certamente não é o caso nos EUA.

Os não-cidadãos também podem ser pegos na rede tributária dos EUA cumprindo certos requisitos, como a residência.

A maneira mais comum pela qual os cidadãos não norte-americanos acabam pagando impostos nos EUA é através do teste de presença substancial, que determina quem conta como pessoa dos EUA por motivos fiscais com base em quanto tempo você passa no país nos últimos três anos.

Como seu sistema de tributação baseado na cidadania, o sistema americano para determinar o status fiscal para não-cidadãos é relativamente complexo, de modo que cidadãos não americanos que gastam uma quantidade substancial de tempo nos EUA devem estar atentos a esses regulamentos para evitar o pagamento de impostos. os EUA.