Importo é roubo?

image_pdfimage_print

O imposto é usado para prover serviços e benefícios aos cidadões, que sem este, muitos não teriam condições de sozinhos se manter. É assim que o estamento político busca legitimar suas ações de saque contra a população.

Um caso recente, na cidade de Contagem/MG, onde estes lixos obrigaram as pessoas a voltar a pagar pelo IPTU depois de várias décadas que não precisaram isto fazer.
E recentemente aprovaram uma lei de isenção para certas partes das pessoas. Ou seja, estes vagabundos primeiros criam a dificuldade para depois se apresentarem como facilitadores e que sem ele as coisas estariam piores?

A Era da Inocência acabou e a Queda de Brastília, com o devido fins destes parasitas já começou a ocorrer. Para cada escroto desde que tiver fim de suas mamatas parasitárias, certamente a humanidade irá ver progressos de décadas em curtos períodos de tempo.

Então vamos ao ponto central que alimenta estes cancers da sociedade. O parasitimos através do roubo em larga escala das pessoas para proveito próprio (políticos e sua turma), destinando uma pequena parte como retorno, como se isto legitimasse a ação. Se isto fosse possível, bastaria o ladrão fazer o bem a qualquer outra pessoa necessitada em qualquer outro lugar para justificar a apropriação do bens de terceiros mediante uso de força ou ameaça.

O ponto central é. Todas as pessoas tem direitos inalienáveis sobre seus corpos e sobre os resultados do uso deste corpo, que aqui chamaremos de propriedade privada, desde que não violem este mesmo direito de outros, sob pena de visivelmente serem escravos ou propriedades de outra(s) pessoa(s).

Na atual composição social, as pessoas são claramente escravas dos políticos, visto que não tem este direito base do qual se originam todos os demais. Serem donas de si mesmo, portanto, auto-proprietárias.

E a pífia explicação que imposto é o preço de se viver em sociedade é completamente ilógica e sem fundamentos, bastando ver que várias sociedades viveram e coexistiram na história sem a existência do imposto.

Dizer que do mesmo modo, a servidão obrigatória, ou seja, escravidão é igualmente necessária, é um novo exemplo deste mesmo sofisma acima, visto que temos exemplos de várias sociedades que igualmente viveram sem a necessidade de escravizar pessoas, mesmo que, seja uma verdade até o momento pelos dados históricos levantados, que a escravidão ocorreu na maioria e nas principais sociedades do mundo e é sem qualquer dúvida o sistema que mais pendurou e durou, sendo quase uma regra social ao se analisar a história.

Sem entrar neste ponto e seus porquês, podemos claramente também notar que no curso da história, as sociedades e povos mostram grandes sinais de evoluções, caminhando de um natureza baseada na Força para uma natureza voluntária.

E o imposto é uma das últimas barreiras deste sistema de Força subordinando pessoas a serem escravas de uma classe em dentrimento a uma sociedade baseada no voluntarismo, como já temos exemplos algumas sociedades religiosas, o livre mercado entre outros.

Então, se todas as pessoas tem direitos a seus corpos e fruto de seus trabalhos. E todos podem fazer o que lhes for mais conveniente, desde que não violem iguais direitos do próximo, esta auto-propriedade tem como consequência a auto-determinação.

E existe na atual sociedade uma classe que sistematicamente busca violar tais direitos bases, princípio de uma sociedade colaborativa, voluntariosa e principalmente pacífica, pelo medo que esta livre competição e colaboração entre as pessoas provacará alterações do status quo social.

E esta classe, são os políticos, que são meros estrumes sociais não descartados assim como os reis os foram no momento correto. Vivem do parasitismo baseado no ataque pela Força, violando o direito básico de todas as pessoas serem donas de si mesma.

Por sinal, este lixo de classe viola esse direito das pessoas dos mais variados modos, como o serviço militar obrigatório, que pode ser visto pelo seu nome real que é trabalho forçado sobre inocentes, o imposto, que é o roubo de propriedade privada, a presença escolar obrigatória, como um sistema de doutrinação estatal, para amançar pessoas de animais humanos para torná-los gados humanos, entre todos os tipos de técnicas modernas de guerra pensadas para manter o privilégio da classe política sobre seus escravos.

Vamos nos focar sobre a estratégia de dominação via roubo, digo, imposto.

As pessoas que não pertencem as castas políticas e seus subordinados (funcionários públicos, membros propagandistas que atuam em instituições privadas financiadas ou recebendo indiretamente verbas roubadas dos cidadões “verba pública”, coorporativistas, etc, etc) obtém seu sustento em trocas voluntárias com outras pessoas.

Todos os demais obtém através do imposto, direta ou indiretamente, que é claramente uma violação ao direito de propriedade de inocentes.

O direito de manter os frutos de seu trabalho é a base da não-escravidão. Vejamos nos primeiro milênios. A classe dominante usou este dinheiro tomado de seus cidadões/súditos/etc para enriquecer a nobreza/rei/etcs.

Depois de certo período, passou-se a dar parte deste dinheiro roubado do povo para povo como serviços de consumo compulsórios, serviços, etc e qualquer outra justificativa criada para poder se roubar pessoas inocentes e legitimar as taxações.

Contudo, mesmo que 100% fosse devolvido, o que não é logicamente possível pelo necessário pagamento do custo do atravessador parasitário obrigatório para que este dinheiro seja forçadamente tomado para depois ser devolvidos sob forma de gastos ‘melhores que se o dono do dinheiro o tivesse gasto por si mesmo’, isto ainda é roubo, e isto permanece ilegítimo.

O termo roubo sempre foi entendido na seguinte linha há milênios: Tomada forçada de propriedade a Força ou sob ameaça de violência, quando este proprietário não causou danos ou não se recusa a compensar tais danos, assim como não violou contrato/acordo com o qual concordou voluntariamente.

E é exatamente isto que os políticos fazem com a população.

Se existe a obrigação de pagar impostos de acordo com as leis positivas impostas pelos políticos a classe dominada, e tais obrigações não sejam cumpridas pelo escravo, então alguém virá em nome dos políticos e irão tomar suas coisas. Se as não tiver em suficiente, tomarão sua casa. E se resistir, irão tratá-lo como um criminoso. Continuando sua legitima defesa, resistindo a tomada forçada de seus bens, buscarão levá-lo a prisão por anos sobre alguma justificativa.

Da mesma forma, se a classe dominada não apresentar impostos, o mesmo procedimento acima será tomado.

Em resumo, é assim que os políticos tomam o dinheiro das pessoas. Ameaçando-as.

Reforço que tais ações sobre assassinos, estupradores, ladrões e fraudadores, em resumo, qualquer um que violar a propriedade de terceiro injustificadamente, são legítimas. Não há qualquer problema neste tipo de conduta sobre criminosos, aqui entendidos apenas como aqueles que violaram propriedade de terceiros sem o concentimento do dono.

Mas se tais atos são cometidos sobre uma pessoa inocente, que não causou mal a ninguém, como aqueles que são forçados a serviço militar obrigatório, pagadores de impostos, então isto é uma grande injustiça.

Então, concluímos que imposto é Roubo.

Logo, sonegação não é crime, ao contrário, é justamente o nome dado a legítima defesa de um proprietário contra o roubo institucionalmente organizado por um grande gangue controlada por políticos.

E todas as ações de tomada de patrimônio praticadas pelo estado contra inocentes é injustiça e qualquer tentativa de proteção destes inocentes não passa de legítima de defesa própria ou de terceiros.

Em nada muda o fato que parte do dinheiro tomado destes inocentes não seja utilizados pela elite política em proveito próprio, nem em proveito de seus amigos/ parceiro e nem para encher seus próprios bolsos.

Nem mesmo se parte deste dinheiro é devolvido em beneces que foram ou não pedidos muda o fato que roubo é sempre ilegítimo seja ele praticado com as próprias mãos, por um grande grupo de pessoas contra uma ou a mando de uma gangue super bem organizada e poderosa. Nem mesmo se todas as pessoas do mundo juntas roubassem uma única pessoa inocente, isto deixaria de ser roubo e nem isto é legítimo. A quantidade de pessoas não muda a natureza de sua ilegitimidade. O que é certo é certo acima do poder legislativo dos políticos. mesmo se parte deste dinheiro é devolvido em beneces que foram ou não pedidos muda o fato que roubo é sempre ilegítimo seja ele praticado com as próprias mãos, por um grande grupo de pessoas contra uma ou a mando de uma gangue super bem organizada e poderosa. Nem mesmo se todas as pessoas do mundo juntas roubassem uma única pessoa inocente, isto deixaria de ser roubo e nem isto é legítimo. A quantidade de pessoas não muda a natureza de sua ilegitimidade. O que é certo é certo acima do poder legislativo dos políticos.

Imposto é roubo. Roubo sempre foi, é e sempre será ilegítimo em qualquer sociedade lógica e/ou ética

A lei estatal não é capaz de mudar verdades básicas, logo, não pode com o uso da caneta dizer que a Terra é chata e nem que imposto não é roubo.

Para os técnicos do Direito, podemos entrar em mais detalhes. Imposto é roubo. Certamente podemos entender que não, sobre a seguinte pespectiva técnica.

IRRF é roubo porque é tomado de você.

DARF é extorsão porque você é obrigado a entrega via coação.

ICMS é furto porque você não nota que o estão tirando de você e nem a quantidade

FGTS é estelionato pois tentam fingir que é um direito seu e que terá ganhos no final da capitalização. Mas na verdade é apenas emprestimo forçado com juros abaixo da poupança e inflação.

Inflação é fraude. Falsificação de papel moeda.

Políticos são portanto uma gangue criminosa e escravizadores de seres humanos.

Sonegação é legitima defesa.

Vacinação obrigatória é lesão corporal grave.

Serviço militar obrigatório é trabalho forçado.

E boa reflexão para os não amantes da Liberdade.